Princípios do Código de Procedimento Administrativo e seus Contributos para a Accountability: o Caso Português

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51341/1984-3925_2021v24n3a11

Palavras-chave:

Administração Pública, Accountability, Estado Democrático de Direito, Controle Social, Transparência

Resumo

Objetivo: O objetivo deste estudo é analisar os contributos que os princípios gerais estabelecidos no Código de Procedimento Administrativo (Decreto-Lei nº 4/2015, de 7 de janeiro) português trouxeram para o exercício da accountability

Método: Foi realizada uma pesquisa com recurso ao método qualitativo através de pesquisa bibliográfica e documental.

Originalidade/Relevância: A aprovação do atual Código de Procedimento Administrativo (Decreto-Lei nº 4/2015, de 7 de janeiro) trouxe importantes inovações em relação ao texto anterior, especialmente em seus princípios gerais da atividade administrativa. Dentre as mudanças, há menção expressa à necessidade de eficiência da Administração Pública, o compromisso desta diante à responsabilização de seus atos e à garantia da participação popular. Com efeito, o estudo analisou se a inclusão de tais princípios fortalece a concretização do Estado Democrático de Direito, propiciando um ambiente favorável as demandas de accountability, conforme é a intenção do diploma.

Resultados: A análise efetuada mostra que o atual Código de Procedimento Administrativo atua em estreita proximidade aos valores constitucionais e as dimensões que envolvem o conceito de accountability, sendo em tese um instrumento de garantia da legitimação democrática. 

Contribuições teóricas/metodológicas: A pesquisa contribui para a discussão do tema na Administração Pública e para alargar a discussão na literatura, e nomeadamente no ordenamento jurídico português, se os princípios do CPA contribuem para o exercício da accountability, das entidades públicas, face aos novos desafios propostos pela crescente complexidade das sociedades modernas e às novas visões da Administração Pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Leal de Lima, Instituto Politécnico de Bragança, Portugal

Graduada em Turismo pela Universidade Paulista (UNIP), pós graduada em Adminsitração e Marketing (lato sensu) pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) e mestranda em Planejamento e Governança Pública, pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Atualmente, é servidora pública na Câmara Municipal de Curitiba (Paraná).

Willian Batista Oliveira, Instituto Politécnico de Bragança, Portugal

Bacharel em Direito pela PUC/PR, Tecnólogo em Gestão Pública pela Unicentro/PR, Pós-graduado em Administração Pública pela Unicesumar/PR, Pós-graduado em Auditoria e Controladoria pela Unicesumar/PR, Pós-graduado em Gestão e Liderança Corporativa pela Fabapar/PR, Mestrando em Planejamento e Governança Pública pela UTFPR, Mestrando em Administração Autárquica pelo IPB/Portugal. Atualmente é Auditor Fiscal de Tributos Municipais na Prefeitura Municipal de Curitiba/PR.

Sónia P. Nogueira, Instituto Politécnico de Bragança, Portugal

PhD in Economics and Business – Local Government Accounting (Autonomous University of Madrid, Spain) in 2012, sufficiency researcher in Accounting and Business Organization (Autonomous University of Madrid, Spain) in 2010 and MSc in Management and Accounting (University of Minho, Portugal) in 2006. Assistant Professor at the School of Public Management, Communication and Tourism at the Polytechnic Institute of Bragança (tenure since 2000), researcher at CICP – Research Centre in Political Science, University of Minho, Portugal. Research interests focus on Public Sector Accounting and Management, particularly on the Local Government area. Recent investigation touches issues such as usefulness of financial reporting in the context of decision-making of Local Government.

Referências

Abrucio, F. L. (2005). Reforma do Estado no federalismo brasileiro: A situação das Administrações Públicas estaduais. Revista De Administração Pública, 39(2). Retrieved January 15, 2021, from http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6576

Abrucio, F. L., & Loureiro, M. R. (2004). Finanças públicas, democracia e accountability: Debate teórico e o caso Bbasileiro. In Arvate, P. R., & Biderman, C. (Eds.). Economia do setor público no Brasil. Elsevier. Retrieved March 2, from https://anpocs.com/index.php/papers-29-encontro/gt-25/gt18-21/3779-abrucio-loureiro-financas/file

Akutsu, L. (2005, Outubro18-21). Portais de governo no Brasil: Accountability e Democracia Delegativa [Conference paper]. 10º Congreso internacional del clad sobre la reforma del estado y de la administración pública, Santiago, Chile.

Alexy, R. (2008). Teoria dos Direitos Fundamentais. Malheiros Editores.

Andrade, J. C. (2017). Lições de Direito Administrativo. (5ª ed.). Imprensa da Universidade de Coimbra. https://doi.org/10.14195/978-989-26-1489-2

Andrade, C., & Batalha, J. P. (2017) Índice de Transparência Municipal: Apresentação e indicadores. Associação Cívica. Retrieved from January 21, 2021, from https://transparencia.pt/wp-content/uploads/2017/11/ITM_Apresentacao_e_Indicadores_2017.pdf

Arato, A. (2002). Representação, Soberania Popular e Accountability. Revista Lua Nova, 55(56), 85-103. Retrieved March 16, 2021, from https://www.scielo.br/pdf/ln/n55-56/a04n5556.pdf

Araújo, J. (2007,). Avaliação da gestão pública: a Administração Pós-burocrática [Conference paper]. Conferência da UNED, Coruña, España. Retrieved on February 20, 2021, from https://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/8309

Ávila, H. (2005). Teoria dos Princípios: Da definição à aplicação dos princípios. (4ª ed.). Malheiros Editores.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo (70 ed.). Almedia Brasil.

Barros, A. (2015). Transparência digital nos parlamentos dos países de língua portuguesa. Teoria & Pesquisa, 24(2), 108-120. http://dx.doi.org/10.4322/tp.24202

Batalha, S. (2016). A transparência orçamental nos municípios portugueses. In Almeida, M., Dias, R. & Pereira, P. T. (Eds.). Autarquias locais: Democracia, governação e finanças. (pp. 33-356). Almedina.

Behn, R. (1998). O novo paradigma da gestão pública e a busca da accountability democrática. Revista do Serviço Público, 49(4), 05-41. https://doi.org/10.21874/rsp.v49i4.399

Bernardes, C. B., & Leston-Bandeira, C. (2016). Information vs engagement in parliamentary websites – a case study of Brazil and the UK. Revista de Sociologia e Política, 24(59), 97-107. https://doi.org/10.1590/1678-987316245905

Bobbio, N. (1995). Teoria do Ordenamento Jurídico. (6ª ed.). Editora Universidade de Brasília.

Bobbio, N. (2003). Teoria da norma jurídica. (2ª ed.). EDIPRO.

Bobbio, N. (2017). O futuro da democracia. Uma defesa das regras do jogo. (14ª ed.). Paz e Terra.

Campos, A. M. (1990). Accountability: Quando poderemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública, 24(2), 30-50. Retrieved January 17, 2021, from http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/9049

Chamusca, P. (2013). Novos desafios e objetivos de governação territorial: Discutindo a reorganização do Estado e a conceptualização da governança como modelo de gestão dos territórios. Geografia e Ordenamento do Território, 4, 31-55. http://dx.doi.org/10.17127/got/2013.4.002

Constitution of the Portuguese Republic. (2005). VII Constitutional Revision. Retrieved on March 29, 2021, from https://www.parlamento.pt/Legislacao/Paginas/ContitucaoRepublicaPortuguesa.aspx

Controladoria Geral Da União. (2013). Manual da Lei de Acesso à Informação para Estados e municípios. Retrieved on March 6, 2021, from https://www.gov.br/cgu/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/transparencia-publica/brasil-transparente/arquivos/manual_lai_estadosmunicipios.pdf

Cristóvam, J. S., & Catarino, J. R. (2015). A constitucionalização do Direito Administrativo e a juridicidade administrativa: Um estudo sobre o caso brasileiro e português. Revista Jurídica Portucalense, 2(17), 77-108. Retrieved on January 23, 2021, from https://revistas.rcaap.pt/juridica/article/view/6531

Cunha, A. M. Ferreira, A. C., & Fernandes, M. J. (2015). Impacto da informação contabilística na reeleição dos autarcas portugueses. Contabilidade & Gestão, 17, 41-89. Retrieved January 9, 2021, from https://www.researchgate.net/publication/323705133_Impacto_da_Informacao_Financeira_de_Fatores_Socioeconomicos_Demograficos_e_Policos_na_Reeleicao_dos_Autarcas_uma_Revisao_da_Literatura

Dani, A. C., Magro, C. B., & Zonatto, V. C. (2018). Efeito da qualidade da governança pública sobre o sentimento de confiança da população nas instituições governamentais: Uma análise para países latino-americanos. Administração Pública e Gestão Social, 10(4), 228-238. http://dx.doi.org/10.21118/apgs.v10i4.1794

Decree-Law nº. 4/2015. (2015). Republic Diary: I series, nº 4. Retrieved on January 11, 2021, from http://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php?nid=2248&tabela=leis

Dias, G. P. (2020). Determinants of e-government implementation at the local level: an empirical model. Online Information Rewiew, 44(7), 1307-1326. https://doi.org/10.1108/OIR-04-2020-0148

Dornellas, E. D., Silveira, G. B., Pinto, R. M., & Muniz, S. T. (2016). O Estado. In Oliveira, A. G., Pisa, B. J., & Augustinho, S. M. (Eds.). Gestão e governança pública: Aspectos essenciais. Editora UTFPR.

Duarte, A. L., Boente, R. M., Marinho, R. B., & Zouain, D. (2018). Produção acadêmica sobre accountability: Categorizações na área de Administração Pública. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 21(3), 459-475. Retrieved January 14, 2021, from https://www.revistacgg.org/contabil/article/view/1687

Índice de Transparência Municipal [ITM]. (2017). Retrieved on January 6, 2021, from https://transparencia.pt/itm/

Kissler, L., & Heidemann, F. G. (2006). Governança pública: Novo modelo regulatório para as relações entre Estado, mercado e sociedade? Revista de Administração Pública, 40(3), 479-499. https://doi.org/10.1590/S0034-76122006000300008

Lavalle, A. G., & Vera, E. I. (2011). A trama da crítica democrática: Da participação à representação e à accountability. Lua Nova, 84, 95-139. https://doi.org/10.1590/S0102-64452011000300005

Law nº 65/1993, of the Assembly of the Republic. (1993). Replublic Diary: I - A series, nº 200. Retrieved on January 6, 2021, from https://dre.pt/pesquisa/-/search/632408/details/maximized

Law nº 46/2007, of the Assembly of the Republic. (2007). Republic Diary: I series, nº 163. Retrieved on January 6, 2021, from https://dre.pt/dre/detalhe/lei/46-2007-640919

Law nº 51/2018, of the Assembly of the Republic. (2018). Republic Diary: I series, nº 157. Retrieved on January 6, 2021, from https://dre.pt/dre/detalhe/lei/51-2018-116068878

Martínez, M. P., Moraes, N. R., Bednaski, A. V., & Porto Júnior, F. G. (2017). Evolução do controle social na Europa e Portugal. In Moraes N. R., Porto Júnior, G., Campos, A. C., & Lima, A. R. (Eds.). Convergências entre os campos da comunicação, democracia e gestão social: volume 1 (pp. 125-144). Editora Fi. Retrieved January 19, 2021, from https://3c290742-53df-4d6f-b12f-6b135a606bc7.filesusr.com/ugd/48d206_e345f68f14044b4b941e361d2300876f.pdf

Miguel, L. F. (2005). Impasses da accountability: Dilemas e alternativas da representação política. Revista Sociologia Política, 25, 25-38. https://doi.org/10.1590/S0104-44782005000200004

Neto, J. A., Guedes, D. R., Nascimento, D. A., & Sousa, H. P. (2019). Governança pública no contexto de implementação das políticas públicas. Razón y Palabra, 23(104). Retrieved on January 9, 2021, from http://servidor.ifpi.edu.br/noticias/1363Textodelartculo513311020191216.pdf

Noja, G. G., Cristea, M., Sirghi, N., Hategan, C. D., & D’Anselmi, P. (2019). Promoting good public governance and environmental support for sustainable economic development. International Journal of Environmental Research and Public Health, 16(24). https://doi.org/10.3390/ijerph16244940

O’Donnell, G. (1998). Accountability horizontal e poliarquias. Lua Nova, 44, 27-54. https://doi.org/10.1590/S0102-64451998000200003

Oliveira, A. G., & Pisa, B. J. (2015). Igovp: Índice de Avaliação da Governança Pública - Instrumento de planejamento do Estado e de controle social pelo cidadão. Revista de Administração Pública, 4(5), 1263-1290. https://doi.org/10.1590/0034-7612136179

Olsen, J. P. (2018). Accountability democrática, ordem política e mudança: explorando processos de accountability em uma era de transformação europeia. Enap.

Paludo, A. C., Putz, R. B., & Farah Junior, M. F. (2016). Governança corporativa. In Oliveira, A. G., Pisa, B. J., & Augustinho, S. M. (Eds.). Gestão e governança pública: Aspectos essenciais. Editora UTFPR.

Parkinson, J. (2015). Democracy. In Mazzoleni, G., Barnhurst, K. G., Ikeda, K., Maia, R. C. M., & Wessler, H, (Eds.). The International Encyclopedia of Political Communication. Wiley-Blackwell.

Rêgo, H. O., & Freire, I. M. (2018). Accountability: Novo conceito para a ciência da informação?. Ciência e Informação, 5(1), 29-40. https://doi.org/10.28998/cirev.2018v5n1c

Resolution of the Council of Ministers nº 95/1999, of the Council of Ministers. (1999). Official Gazette: I-B series, nº. 198. Retrieved on January 11, 2021, from https://dre.pt/dre/detalhe/resolucao-conselho-ministers/95-1999-428857

Resolution of the Council of Ministers nº 22/2001, of the Council of Ministers. Official Gazette: I-B series, nº. 49. Retrieved on January 11, 2021, from https://dre.pt/dre/detalhe/resolucao-conselho-ministers/22-2001-384669

Rodríguez, J. C., Hernández, A. M. L., & Gómez, J. L. Z. (2019). The impact of explanatory factors on a bidimensional model of transparency in Spanish local government. Government Information Quarterly, 36(1), 154-165. https://doi.org/10.1016/j.giq.2018.10.010

Rose, J; Flak, L. S. & Saebo, O. (2018). Stakeholder theory for the E-government context: Framing a value-oriented normative core. Government Information Quarterly, 35(3), 362-374. https://doi.org/10.1016/j.giq.2018.06.005

Ronconi, L. (2011). Governança Pública: Um Desafio à Democracia. Emancipação, 11(1), 21-34. http://doi.org/10.5212/Emancipacao.v.11i1.0002

Sá, F., Rocha, A. & Cota, M.P. (2016). From the quality of traditional services to the quality of local e-Government online services: A literature review. Government Information Quarterly. 33(1), 149-160. https://doi.org/10.1016/j.giq.2015.07.004

Sangki, J. (2017). Vision of future e-government via new e-government maturity model: Based on Korea's e-government practices. Telecommunications Policy, 42(10), 860-871. https://doi.org/10.1016/j.telpol.2017.12.002

Santos, M. H. (2001). Que democracia? Uma visão conceitual desde a perspectiva dos países em desenvolvimento. Revista DADOS - Revista de Ciências Sociais, 44(4), 729-771. https://doi.org/10.1590/S0011-52582001000400003

Secchi, L. (2009). Modelos organizacionais e reformas da Administração Pública. Revista de Administração Pública, 43(2), 347-369. https://doi.org/10.1590/S0034-76122009000200004

Shane. P. (2006). Digital government and democracy legitimacy. In Anttiroiko, A. V. (Ed.). Encyclopedia of digital government. IGI Global.

Trenz, H. J. (2015). Public Sphere. In Mazzoleni, G., Barnhurst, K. G., Ikeda, K., Maia, R. C. M., & Wessler, H. (Eds.). The International Encyclopedia of Political Communication. Wiley-Blackwell. https://doi.org/10.1002/9781118541555.wbiepc212

Valbruzzi, M. (2015). Transparency. In Mazzoleni, G., Barnhurst, K. G., Ikeda, K., Maia, R. C. M., & Wessler, H, (Eds.). The International Encyclopedia of Political Communication. Wiley-Blackwell. https://doi.org/10.1002/9781118541555.wbiepc237

Warf, B. e-Government. In Warf, B. (Ed.). The Sage Encyclopedia of the Internet. Sage Publications.

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Lima, D. L. de, Oliveira, W. B., & Nogueira, S. P. (2021). Princípios do Código de Procedimento Administrativo e seus Contributos para a Accountability: o Caso Português. Contabilidade Gestão E Governança, 24(3), 438–455. https://doi.org/10.51341/1984-3925_2021v24n3a11

Edição

Seção

Seção Internacional