Como Classificar as Reservas de Capital na Demonstração dos Fluxos de Caixa?

Paulo Roberto Barbosa Lustosa, Ariovaldo dos Santos

Abstract


Este artigo analisa as características de cada uma das reservas de capital obrigatórias do sistema contábil brasileiro e apresenta, a partir dessa análise, alternativas para a classificação, entre os três grupos de atividades da Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC, das movimentações físicas e virtuais de dinheiro presentes nos eventos geradores de reserva de capital. As principais normas contábeis estrangeiras sobre o modelo de fluxos de caixa realizados, como a americana FAS-95 – Statement of Cash Flows, do FASB – Financial Accounting Standards Board e a norma internacional IAS-7 revisada– Cash Flow Statements, do IASB – International Accounting Standards Board, não contêm referências específicas sobre a classificação das reservas de capital na DFC e, além disso, algumas dessas reservas são típicas do sistema contábil adotado no Brasil. O trabalho utiliza uma abordagem metodológica crítico-investigativa do referencial teórico e normativo sobre reservas de capital e ilustra a discussão com um exemplo que contempla todas as reservas discutidas, a partir do qual são elaboradas as DFC por uma das alternativas propostas na análise e pelos critérios do FAS-95. Conclui-se que a alternativa apresentada promove uma maior integração da DFC com as demais demonstrações contábeis do que a abordagem que vem sendo utilizada.

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


e-ISSN: 1984-3925

Licença Creative Commons
The JAMG adopts the Creative Commons license CC-BY-NC ND Creative Commons Attribution 4.0 

Indexing and Abstracting:

Logotipo SPELLLogotipo LATINDEX Logotipo OPENAIRE Logotipo DOAJLogotipo Cengage Logotipo EBSCOLogotipo REDIB Logotipo ESCI