Nível de Disclosure do CPC 29 Ativos Biológicos: Análise dos Fatores Determinantes nas Companhias Brasileiras

Autores

  • Daniel Ramos Nogueira Universidade Estadual de Londrina (UEL)
  • Paulo Alexandre da Silva Pires Universidade Estadual de Londrina (UEL)

DOI:

https://doi.org/10.51341/1984-3925_2017v20n1a3

Palavras-chave:

Divulgação, Ativos Biológicos, Conformidade, Contabilidade, Agricultura

Resumo

A questão de pesquisa que norteia esta investigação é “Quais os Fatores Determinantes do Disclosure do CPC 29 nas companhias brasileiras?”. Neste aspecto, o objetivo da pesquisa foi avaliar os principais fatores que afetam a evidenciação das informações relacionadas aos ativos biológicos. Para isso, foram selecionadas 5 variáveis destacadas pela literatura como influenciadoras da evidenciação. A amostra foi composta por companhias brasileiras com saldo de ativos biológicos no Balanço Patrimonial. A partir da lista, procedeu-se a coleta das demonstrações contábeis, notas explicativas, nível de governança corporativa e empresa de auditoria independente para os 6 anos (2010 a 2015). De posse das informações coletadas, procedeu-se a verificação da variável dependente (nível de Disclosure do CPC 29) e das variáveis independentes de cada ano. Ao final (após exclusões) foram analisadas 100 observações. Os resultados indicaram que as variáveis Tamanho, Representatividade dos Ativos Biológicos e Vigência da OCPC 07 impactaram positivamente o nível de Disclosure. As duas primeiras confirmaram as hipóteses previstas e a OCPC 07 apresentou relação diferente do esperado, demonstrando aumento e não redução no número de divulgações nos anos de 2014 e 2015.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Ramos Nogueira, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Docente Adjunto do Curso de Ciências Contábeis (UEL)
Doutor em Controladoria e Contabilidade (FEA-USP)
Mestre em Contabilidade (UFPR)

Paulo Alexandre da Silva Pires, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Pós-graduando em Contabilidade e Controladoria Empresarial (UEL)

Bacharel em Ciências Contábeis (UEL)

Referências

Almeida, J. E. F. de., & Almeida, J. C. G. de. (2009). Auditoria e earnings management: estudo empírico nas empresas abertas auditadas pelas big four e demais firmas de auditoria. Revista Contabilidade & Finanças, 20(50), 62-74.

Argilés, J. M., Garcia-Blandon, J., & Monllau, T. (2011). Fair value versus historical cost-based valuation for biological assets: predictability of financial information. Revista de Contabilidad-Spanish Accounting Review, 14(2), 87-113.

Argilés Bosch, J. M., Aliberch, A. S., & Garcia-Blandon, J. (2012). A comparative study of difficulties in accounting preparation and judgement in agriculture using fair value and historical cost for biological assets valuation. Revista de Contabilidad-Spanish Accounting Review, 15(1), 109-142.

Barros, C. C., Souza, F. J. V., Araujo, A. O., Silva, J. D. G., & Silva, M. C. (2012). O impacto do valor justo na mensuração dos ativos biológicos nas empresas listadas na BM&FBOVESPA. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17(3), 41-59.

Braunbeck, G. O. (2010). Determinantes da qualidade das auditorias independentes no Brasil. Tese de Doutorado em Controladoria e Contabilidade, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo (FEA-USP), São Paulo.

Brito, S. S., & Ambrozini, M. A. (2013). Impactos da implementação das Normas Internacionais de Contabilidade sobre indicadores financeiros: um estudo das empresas brasileiras com ativos biológicos. Contabilidade Vista & Revista, 24(3), 78-102.

Brizolla, M. M. B., Pletsch, C. S., Fasolin, L. B., Silva, A., & Rosa, F. S. da. (2014). Determinantes da Avaliação dos Ativos Biológicos a Valor Justo, em empresas listadas na Bm&FBovespa. Revista Ambiente Contábil, 6(2), 152-169.

Cameron, A. C., & Trivedi, P. K. (2009). Microeconomics Using Stata. Texas: Stata Press.

Comissão de Valores Mobiliários. (2014). Deliberação CVM nº 727 – Aprova a orientação OCPC 07 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da evidenciação na divulgação dos relatórios contábil-financeiros de propósito geral. Brasília: CVM. Recuperado em 25 de Outubro de 2016, de http://www.cvm.gov.br/export/sites/cvm/legislacao/deli/anexos/0700/deli727.pdf

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2009). Pronunciamento técnico CPC 29 – Ativo Biológico e Produto Agrícola. Brasília: CPC. Recuperado em 12 de Abril de 2015, de http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/324_CPC_29_rev%2003.pdf

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2014). Orientação Técnica OCPC 07 Evidenciação na Divulgação dos Relatórios Contábil-Financeiro de Propósito Geral. Brasília: CPC. Recuperado em 22 de Outubro de 2016, de http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/488_OCPC_07_Orienta%C3%A7%C3%A3o.pdf

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de Pesquisa em Administração (7th ed.). Porto Alegre: Bookman.

Elad, C., & Herbohn, K. (2011). Implementing fair value accounting in the agricultural sector. Edinburgh: The Institute of Chartered Accountants of Scotland.

Fávero, L. P. (2015) Análise de Dados: Modelos de Regressão com EXCEL®, STATA® e SPSS®. Rio de Janeiro: Campus Elsevier.

Figueira, L. M., & Ribeiro, M. S. (2015). Análise da Evidenciação sobre a mensuração de ativos biológicos: Antes e Depois do CPC 29. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(26), 73-98.

Gonçalves, R., & Lopes, P. (2014). Firm-specific determinants of agricultural financial reporting. Procedia – Social and Behavioral Sciences, 110, 470-481.

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M. F. (1999). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Iudícibus, S. de. (2010). Teoria da Contabilidade (11th ed.). São Paulo: Atlas.

Lefter, V., & Roman, A. G. (2007). IAS 41 Agriculture: Fair Value Accounting. Theoretical and Applied Economics, 5(510), 15-22.

Macedo, V. M., Campagnoni, M., & Rover, S. (2015). Ativos biológicos nas companhias abertas no Brasil: Conformidade com o CPC 29 e associação com características empresariais. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 10(3), 7-24.

Moura, P. J. P de, Carmo, C. H. S. do, Ribeiro, A. M., & Pereira, E. M. (2016). Fatores Explicativos do Nível de Conformidade da Divulgação Contábil Requerida dos Ativos Biológicos das Empresas Listadas na BM&Fbovespa. In 20º Congresso Brasileiro de Contabilidade (pp. 1-14). Fortaleza-CE: Conselho Federal de Contabilidade.

Oliveira, N. C. de, Nardi, P. C. C., & Nakao, S. H. (2015). Influência das Empresas de Auditoria na Divulgação de Informações referentes aos Ativos Biológicos. In IX Congresso ANPCONT (pp. 1-17). Curitiba-PR: ANPCONT.

Pires, P. A. da S., Tortoli, J. P., Botelho, D. R., & Rech, I. J. (2016). Estudo da Associação Entre o Nível de Evidenciação e o Grau de Concentração da Propriedade nas Empresas Brasileiras que Exploram Ativos Biológicos. In 20º Congresso Brasileiro de Contabilidade (pp. 1-15). Fortaleza-CE: Conselho Federal de Contabilidade.

Rech, I. J., & Oliveira, K. G. (2011). Análise da aplicação do CPC 29 e IAS 41 aos ativos biológicos no setor de silvicultura. In V Congresso Anpcont (pp. 1-16). Vitória-ES: ANPCONT.

Rover, S., Tomazzia, E. C., Murcia, F. D., & Borba, J. A. (2012). Explicações para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando análise de regressão em painel. Revista de Administração, 47(2), 217-230.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, M. D. P. B. (2013). Metodologia da Pesquisa (5th ed.). Porto Alegre: Penso.

Scherch, C. P., Nogueira, D. R., Olak, P.A., & Cruz, C. V. O. A. (2013). Nível De Conformidade Do CPC 29 Nas Empresas Brasileiras: Uma Análise Com as Empresas De Capital Aberto. RACE Unoesc, 12(2), 459-490.

Scherer, L. M., Munhoz, T. R., & Roth, T. C. (2014). Fatores Explicativos da Divulgação de Ativos Biológicos e Produtos Agrícolas em Empresas de Capital Aberto e Fechado. In VIII Congresso Anpcont (pp. 1-18). Rio de Janeiro: Anpcont.

Downloads

Publicado

2017-04-20

Como Citar

Nogueira, D. R., & Pires, P. A. da S. (2017). Nível de Disclosure do CPC 29 Ativos Biológicos: Análise dos Fatores Determinantes nas Companhias Brasileiras. Journal of Accounting, Management and Governance, 20(1), 38–54. https://doi.org/10.51341/1984-3925_2017v20n1a3

Edição

Seção

Artigos